quarta-feira, 5 de abril de 2017

O Brasil exemplo








Nestes tempos de só perder tempo com conversas inúteis, outro dia também participei do agradável costume de “jogar conversa fora”. Estávamos em três numa rua discorrendo como na internet tem maravilhas sobre a saúde. Muitos alimentos são tão poderosos para manter a saúde do corpo como também para combater muitas enfermidades. Incrível as propriedades de nutrientes que se encontram em tantos alimentos que, seguindo “à risca” o consumo deles como nos é orientado, ninguém mais deverá ficar doente e se está pode até mesmo sarar. Talvez num futuro a medicina e a indústria farmacêutica sejam desnecessárias (risos).

Essa era a conversa de rua quando chegou mais um para complementar a descontração com outro assunto. Já chegou interferindo sem saber qual era o assunto do momento para falar sobre outro que é o mais importante do mundo: o futebol. Depois de alguns minutos, o recém chegado parece que refletiu um pouco para exteriorizar sua sabedoria jurídica. Ele disse que aquele goleiro conhecido nacionalmente que mandou matar a namorada e que depois sumiram com o corpo dela, tem o direito de ter uma nova chance na vida e por isso, enquanto aguardando seu julgamento em liberdade, estavam certos os diretores de um time de futebol querendo contratá-lo para ele ser parte daquele elenco esportivo. Parece que aquela frase “diga-me com quem andas que eu direi quem tu és” morreu. Aquele que chegou depois e interferiu na conversa, que pena que sua pena foi não ter tido a chance de evoluir na vida para poder ser mais esclarecido.

Aqui neste país “abençoado por Deus” assim conforme se canta numa música, parece que o crime compensa. Quantos e quantos roubaram do erário e estão ilesos, viajando para o exterior, frequentando resorts caríssimos, e por aqui vivendo como se estivessem no paraíso? E o povo que tanto foi domesticado com o “não roubar, não matar, não enganar, não mentir” e etc. ele, vive agora num martírio do “salve-se quem puder” das consequências administrativas governamentais que mais o afeta e o prejudica. Brasil, “quem te viu e agora te vê” até já pensa em fugir de ti.

                                                                                      Altino Olimpio