segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Não é conversa do Facebook

De: altino olimpio
Para: sylvia karla

Sobre a indignação...
Nesta e nas anteriores políticas FDPs os funcionários públicos e outros quando se aposentam ganham bem mais do que os aposentados do povo. Este que paga pelos impostos, este que na verdade sustenta o país. E o povo tem o seu nome até como nome pejorativo.  Esse povo que é vítima dos bandidos comuns, dos bandidos "legalizados pela constituição" e pelo governo. Pouco sei da Argentina, mas sei que a América Latina foi muito bem estuprada pela esquerda, pelo comunismo que não dá trégua. Quanto ao povo brasileiro nunca o vi tão FDP atolado na ignorância. Basta sair por ai e ver essa cambada de idiotas úteis para ser massa de manobra. Neste país quem tem apenas um pouquinho de discernimento sofre por viver entre tantos imbecis. A única escapatória seria ser burro também para não viver torturado pela decepção.

De: sylvia karla
Enviado: domingo, 15 de janeiro de 2017 19:32
Para: altino olimpio
Assunto: 

Só pra complementar seu pensamento. Ninguém fala que o problema do INSS não são as aposentadorias do setor privado. Ninguém diz que 90% da folha de pagamento do INSS são pra aposentadorias de funcionários públicos, só 10% são do setor privado. Ninguém diz porque um senador , (como E. S, por exemplo) precisa-se aposentar ganhando 53 mil reais/mês, ferindo a constituição. Judiciários com aposentadorias beirando os cinquenta mil também. Eles dizem que o problema são os que ganham salário mínimo. Fico pasmada, ninguém retruca, ninguém esclarece, ninguém fala nada. Nem a mídia, nem economistas, nem as pessoas eu vejo contestar. Parece que todo mundo reza na mesma cartilha. Ninguém diz que o problema são também os militares, que deixam aposentadorias pras mulheres, depois pras filha que não se casam oficialmente pra não perderem a mamata, isso, oriundo de uma lei que foi feita pra socorrer família dos que foram pra segunda guerra e morreram e nunca mais mexeram nessa lei, se perpetuou, tornou-se sagrada. E nessa reforma que querem fazer, os militares disseram, conosco ninguém mexe. E o governo abaixou a cabeça e acatou, de forma obediente. E ninguém grita, ninguém reclama, NADA. Por quê??? Por quê não mexer com eles? São santidades intocáveis? O governo e a mídia em geral falam como se a única fonte do INSS fosse o recolhimento de aposentadoria. Em tudo se paga INSS, quando se faz uma escritura (e é caríssimo), as empresas pagam INSS, fora a contribuição normal, agropecuária paga INSS quando compra ou vende bois e outros afins, quando se constrói uma casa, paga-se um absurdo de INSS, e se não recolher não consegue habite-se, enfim, é uma enormidade de impostos que os INSS abocanham e ninguém se lembra disso.
Essa reforma que querem fazer vai ser um remendo que não vai tapar nem um buraco, enquanto não se meter a mão na ferida, tudo o mais é gambiarra.

sylvia karla
hoje, 19:21Você

Altino,
O Peron foi pra Argentina o que o Lula foi pro Brasil. Populista, perdulário, ladrão, oportunista, falso socialista. Lá como cá, acabou com o dinheiro da Argentina, faliu o País com tantas regalias pro povo a fim de comprar mais e mais votos, e se perpetuar no imaginário popular (aqueles de sempre, os iludidos, os que vendem votos, os que aceitam empregos públicos dando metade do seu salário, os que de alguma forma mamam nas tetas do governo seja com qual tipo de dependência for), como sempre,  cada um enxerga o que quer enxergar, ouve o que quer ouvir, escolhe se quer a história ou a “estória”. Evita foi a Dilma deles, só que ao contrário da nossa, ela era carismática, sabia usar artimanhas sentimentais e arrancar lágrimas do povo, sabia falar o que o povo queria ouvir. Era uma manipuladora nata.
Torraram tudo o que o País tinha, endividaram até a raiz, mas, deixaram fortuna pessoal invejável, principalmente pra época. A partir daí a Argentina veio capengando, ora um pouco melhor, ora muito pior, até os populistas tomarem novamente o poder e acabar de acabar com o País. Tá uma lástima. A diferença entre eles e nós é que o Brasil é grande demais, mesmo em situação de crise, só o PIB do estado de SP é maior do que o PIB da Argentina. Portanto, o nosso buraco é mais embaixo.
Vemos que aonde os comunistas socialistas colocam as mãos, a paisagem fica como uma roça açoitada por gafanhotos. Destruída e falida. Assim é Bolívia, Venezuela.  Paraguai deu um ponta pé no socialismo, mergulhou de cabeça no empreendedorismo capitalista e emergiu, tornou-se uma economia competitiva, cresce numa ascendência boa e equilibrada, despontando no cenário latino. Soube dar a volta por cima, está dando gosto de ver. Chile também investiu duas décadas na educação, deu uma banana pro Mercosul e  fez acordos bilaterais com EU e Europa e deu um salto de qualidade de vida respeitável. Peru, está de glu, glu glu, kkkkkk...... Também emergindo. Infelizmente, nós, estamos na contra mão do mundo que, andamos pra trás, estamos num nível equivalente à década de 60 quando o País ainda não podia se considerar industrializado e dependia quase que totalmente do setor agrícola. Estamos assim agora, só o agronegócio há muitos anos desponta no cenário nacional e consegue excelente desempenho, mesmo com a infra-estrutura obsoleta que temos comparada a Países africanos. As indústrias, infelizmente, encolhendo, muitas das grandes e médias saíram do Brasil, indo pra China e/ou Paraguai devido aos impostos e ingerência do governo.
Enfim, amigo, é o que tem pra nós. E vamo que vamo...

Sylvia