domingo, 17 de julho de 2016

A feliz e progressiva desunião humana


O mundo é bonito, mas, a humanidade que ele suporta sobre sua crosta parece ser indigna de viver sobre ele. Ela não evolui como devia. Para atrapalhar existem aqueles seres humanos que encharcam a população com tantas idiotices e ela sempre sucumbe sob tais influências negativas. Com tudo isso, a humanidade fica dividida, desunida. Os seres humanos, fracos mentais como são, eles gostam de ter sensações e se perdem por elas. Atentos a quaisquer “coisas” que são promulgadas, ao apreciá-las e conviverem com elas, isso é ter ou viver de sensações. Constantemente o ser humano requer sensações para viver. Sem tê-las ele pode morrer de tédio (risos).

Vamos discorrer sobre algumas que conquistam parte do povo e o torna submisso a elas: Futebol, televisão, cinema, internet, redes sociais, telefone celular, política, religião e etc. Todas causam sensações ou agrados, pois, se não causassem elas não teriam “cúmplices” ou seguidores. Não estando a unir, mais estão a desunir o povo ao “enchê-lo com distrações para deslocá-lo do que realmente lhe deveria ser importante”. Também causam sensações para seus participantes aquelas organizações afins com o esclarecer ou ensinar “tudo” sobre o lado imaterial do homem. Mas, por que discorrer sobre essas causas de “sensações” se todos sabem do existir delas?

Podem saber das causas que provocam sensações, mas nem desconfiam como elas contribuem para a desorganização humana. Cada um ou qualquer um vive na sua causa de sensação e se vive constantemente nela, se desobriga, deixa de se importar com o que acontece no mundo ou ao seu país ou com os outros. Sendo mais objetivo, quem só vive de futebol, quem só vive das distrações da televisão, quem só vive conectado com as apaixonantes redes sociais da internet, quem só vive dedicado para alguma das diversas religiões, quem só vive para si mesmo e etc. são milhões de pessoas vivendo como se estivessem afastadas do mundo. São alheias aos fatos que afetam a todos. Esse se desunir em propósitos diferentes de sensações promove o desinteresse e a indiferença para exigir soluções para muitos problemas que afligem a humanidade.  

Se a população de qualquer país se conscientizasse das tantas distrações e dos tantos “passa tempos” existentes para distraí-la de suas reivindicações necessárias e desconsiderando-os “acordasse” para o confronto contra o mal que os maus intencionados provocam para a sociedade, muito do mal existente desapareceria. Deixando de lado essa utopia, qualquer população, mais ela é constituída por pessoas honestas... Trabalhadoras... Decentes... Pacificadoras... Pamonhas (risos). Não gostam de criar problemas para quem lhes cria problemas (risos). Para cada um na sua zona de conforto, é um desconforto saber de fatos negativos e prejudiciais para si e para o povo. Então... Aquela bola na trave, aquela entrevista na televisão sobre anão gigante, aquela postagem maravilhosa no Facebook, aquele filme de máquinas e monstros que querem destruir o mundo, aquilo que aquela autoridade falou sobre para onde se vai depois da morte... Isso tudo e mais é que são sensações confortáveis para se viver. Nada mais é preciso e nem é preciso saber se existe algum mal a ameaçar a humanidade. Lembrando, o bem sempre vence (até parece).


                                                                              Altino Olimpio