segunda-feira, 14 de março de 2016

O homem teórico


O homem teórico

Por mais hábil a desenvolver suas considerações e investigações sobre a vida, o homem ainda não desvendou seus principais mistérios. Desde tempos remotos até estes tempos, suas argumentações sobre a vida, sobre o propósito dela foram se somando com outras, mas, “nenhuma delas chegou a ser consenso devido sua diversidade de exposição”. Para as religiões deste país não há segredos sobre o propósito da vida e a continuidade dela depois da morte. Para o ser humano tudo começa ao nascer, depois viver conforme os ditames delas (das religiões) e ao morrer, como alma ele continua a existir. Seja fato ou teoria, isso está a querer desmentir a extinção da existência espiritual depois da morte corporal. É incontável o número de crentes dessa trajetória religiosa do nascer até ao depois de morrer contendo a condição de “viver” para sempre. Esse conceito religioso é baseado na fé, não é científico. Entre a religião e a ciência não há conciliação. Religião é dedução e ciência é constatação. Sem a constatação de sua parte espiritual (alma), isso é um enigma para o homem. Só não é para os crentes da suposição que a fé suplante a ciência no reconhecer da existência extracorpórea. Entretanto, o homem descaracterizado ou não de sua espiritualidade, isso não abala a natureza e nem a marcha do universo. Ela e ele estão além da prerrogativa do ser humano de se sentir mais importante do que eles, sem perceber (risos). Em todas as épocas, os seres humanos conviveram com seus feitos e efeitos. Muitos de seus feitos permaneceram, mas, eles não. A brevidade da vida do homem o retira do mundo sem aviso prévio, quando e como quer, como se ele fosse descartável, e ele é. Não importa se ele for um homem bom e simples, se for um benfeitor ou um malfeitor, se for um santo ou se for um do pensar ser queridinho de Deus. Por isso, toda alegria ou todo tormento que alguém possa ter na vida, como o tempo passa rápido, logo o alguém, suas alegrias e seus tormentos desaparecem da existência para pertencerem esquecidas “na última época passada”. Problemas, medo, preocupações e outras inquietações... Tudo nos parece importante e preocupante enquanto vivermos. Também foram importantes para todas as pessoas de outras épocas. Mas, onde estão elas e suas inquietações? Desapareceram e nosso destino não é diferente. Mas, o homem, o mais inteligente dos animais, ele tem inventado teorias sobre a sequência de nossa existência depois da morte. Criou até a teoria sobre este mundo ser de ilusões e apenas servir de passagem para outro onde estaria à realidade do nosso viver, que seria o “viver espiritual”, incorpóreo. Contudo, esse mundo do além está além de nossa compreensão. Encontra existência na imaginação, mas, a ciência com toda ciência que tem, ela é incapaz de localizar esse mundo, porque, ele é espiritual. Talvez seja da competência da ciência da psiquiatria comprovar sua existência. Para a sobrevivência das religiões esse outro mundo é necessário. Sem ele, elas... Ah, seus expoentes têm o prazer de ensinar o que sabem de como é lá para os que não sabem. Sendo assim, precisamos estar sempre atentos e termos a mente aberta para sempre podermos adquirir os conhecimentos que ainda não temos. Oremos irmãos!

                                                                                        Altino Olimpio