segunda-feira, 7 de março de 2016

O beco sem saída


O homem e a mulher atraídos e traídos pelos hormônios para a volúpia do prazer. E eles estão a serviço da natureza para a continuidade da espécie humana. Homens e mulheres nunca pensam neles, nos hormônios, quando atarracados ficam para satisfazerem seus instintos animais. Em tais momentos de intensidade do prazer genital, o mundo é esquecido e tudo o que ele contém. Nesse ato a dois, só se concentra no ato enquanto ele dura e é raro se pensar em outra coisa, como, no ele vir a ser a consequência do surgimento de uma criança. No mais das vezes ela é a consequência de um descuido do seu evitar. Se quase sempre é assim, quase todos nascem sem querer e sem pedir. Tem quem diz (sempre tem) ser o descuido, uma irresponsabilidade humana provocada pelo “destino” para possibilitar a encarnação ou reencarnação das almas que estão na “fila” de espera para nascer ou renascer. Isso é pra quem acredita em abstração. Neste mundo, quantas e quantas pessoas nasceram sem serem desejadas antes daquele ato sensual a dois? O número delas é incontável. Então, qualquer pessoa nasce sem querer e sem pedir. E depois? Tem ela que suportar as vicissitudes da vida que não pediu pra viver? Isso não parece uma traição (risos)? Principalmente nesta era com tantas dificuldades para existir, com muita gente com dificuldade para sobreviver, com tanta contra cultura, com tantos valores distorcidos, com homens explorando homens, com semelhantes matando semelhantes, com a guerra psicológica de domínio das massas que ninguém percebe. Depois do nascer não há como escapar do viver. Não existe um “interruptor” para ligar ou desligar a energia vida. Quem está descontente poderia se suicidar, mas, inventaram a religião e ela inventou o pecado pra quem quiser se matar. Tudo contribui para o ‘ser obrigado’ a existir. Sabe-se do existir de pessoas com a vida infeliz, muito sofrida, sempre sentindo dores e sem perspectiva de melhoras. Elas só podem aguardar a vinda da morte para libertá-las do sofrimento. Como disse o saudoso médico e escritor mineiro Pedro Nava numa interessante entrevista lá no passado, “a vida é um beco sem saída”. Sua argumentação sobre isso foi até comovente naquela ocasião. Lembrando, ele conseguiu sair do beco sem saída suicidando-se em 1984 aos oitenta anos de idade (risos). Pensando bem... Um casal sem recursos, já tendo tido experiências desagradáveis na vida, como a pobreza, o desemprego, não tendo estudos e nem moradia, “colocar” um filho no mundo para que ele venha a sofrer as mesmas ou piores privações, isso não é uma traição para quem não pediu para nascer? Essa preocupação parece nunca ter existido, principalmente entre os mais jovens e inconscientes ainda. Ser mãe, como diziam, é o sonho de todas as mulheres. Mas, quantos filhos dos sonhos delas se transformaram em pesadelos para elas e para seus maridos? Nem é preciso citar exemplos. Basta assistir aos noticiários. Mesmo se alguns filhos, por sorte, ficarem ricos, isso não serve para nada, até os prejudica porque, “é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no céu” (risos e mais risos). Então o médico mineiro tinha razão quando disse: A vida é um beco sem saída. E não dá pra escapar das agruras dela. Tragédias podem acontecer quando menos se espera. Doenças, infortúnios, inimizades também e etc. Lembro-me de ter lido em algum livro uma conversa entre o mestre e o discípulo:
--Mestre, o que é melhor na vida?
--Melhor é não ter nascido.
--Mas mestre, eu nasci, então o que é melhor?
--Burro, burro, então, quanto mais cedo você morrer melhor.
Puxa-vida! Teria o mestre exagerado? O melhor mesmo é não nascer? Os mestres ou gurus, eles têm muito conhecimento. Numa ocasião um homem desesperado por obter conhecimento foi à procura de um guru famoso. Depois de muito tempo viajando para encontrá-lo, finalmente o encontrou num morro e sentado num toco de árvore e logo lhe foi falando: Mestre, eu vim de longe, soube da tua sabedoria sobre a vida e como viver. Muito tenho me dedicado a evoluir, mas, ainda não consegui. Sei da tua caridade e da tua dedicação para com os seus discípulos e do seu viver sempre focalizado nas importâncias da vida, como agora neste momento e...
Muito atencioso numa boa recepção para o suplicante o guru lhe falou:
Não me encha o saco! Sai da frente que você está me tapando o sol.
(Risos) Decepções fazem parte da existência. Não existem pra quem não nasceu e nem pra quem já morreu. Até eu já estou me convencendo ser a morte o melhor da vida. Mas, agora... Deu-me uma vontade tão forte de morrer e se eu não morrer agora eu vou morrer de raiva (risos).


                                                                                          Altino Olimpio