domingo, 7 de fevereiro de 2016

Gente se queixando da idade


Gente se queixando da idade

Meu amigo, passamos pelo tempo mesmo hein, este ano faço 68 e tu se não estiver enganado vai fazer 74 em agosto, tem horas que dá vontade de sumir muitas vezes não acho graça em coisas que costumava rir, "tô" no fim ou começo da fila dos retirantes mesmo.
Oswaldo João Della Betta 

É verdade, em agosto completarei 74 anos. Quando perguntado sobre a vida costumo responder que ela é uma bosta, embora eu não me sinta infeliz. Sendo mais pela realidade e não pela ilusão,  superstição ou crenças, isso torna a vida com menos atrativos. Às vezes sinto que minha vida é ridícula, parece que não há mais nada para fazer e o que se fazia não tem mais graça (risos). Hoje sou daquele descrente que diz: nada se sustenta e nada tem importância. Escrevo crônicas para ter o que fazer (risos) e algumas delas faz com que alguém se enfureça, porque, vão contra o que esse alguém acredita. O que também nos remete para as decepções é o fato de agora sermos informados (massacrados) pelas más condições políticas e por saber que sempre tem aqueles que estão a modificar o nosso viver e nisso está o nos escravizar mais. Às vezes me vem à pergunta: Será que ainda existe alguém que preste? Parece que todos estão hipnotizados, alienados com o cada vez mais se desunir, cada vez mais com o "cada um na sua". A Mídia tem seus canhões constantes bombardeando ingênuos idiotizando-os cada vez mais. A desinformação está a todo vapor. Todas as instituições (filosofia, religião e etc.) falharam no bem conduzir e no controle da humanidade.  Parece que tem mentiras em tudo. Às vezes me lembro daquele dizer: O mundo é um vale de lágrimas. Atualmente muita gente doente. Famílias com problemas graves com seus filhos e etc. Então, chegando aos 68 como você chegou e aos 74 como vou chegar, nessa fase da vida as reflexões sobre a existência nos traz o passado quase sempre, queiramos ou não. Se forem lembranças desagradáveis elas nos desgostam e nos irritamos querendo esquecê-las e mudar de pensamento. Se forem boas lembranças elas são saudades e saudades têm algo a ver com a tristeza do que passou, passou e não volta mais. Então, que mais te dizer? Só sei que ninguém escapa da vida querendo (risos).  Nascemos pelo querer ou pelo “sem querer” (aconteceu) de nossos pais e não pelo nosso querer. Depois, temos "que nos virar como pudermos" para viver e sobreviver.
A meta geral é ser feliz. Mas, felicidade constante não existe. Momentos de empolgações sim e elas são confundidas como sendo felicidade. Devo estar parecendo pessimista, coisa que, acredito, não sou. Sou o que sou, mas não sei o que sou (risos e mais risos). Sempre levo tudo na brincadeira. Paro por aqui, mas a vida como ela quer que eu viva ou não se importa que eu viva ou como eu viva, ela continua viva em todas as vidas que nem imaginam o que possa lhes acontecer em vida e os seres humanos nunca estarão a anteceder o que pode lhes acontecer e se cedo vão morrer ou se até bem velhos vão viver (risos). A vida é a maior das incógnitas, mas, existem “especialistas” prontos a “orientar” que ela é eterna mesmo depois que morre em quem deixou de viver (risos).

Abraços para você, o 68 e logo retirante.

Altino Olimpio