segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Fim da tarde



Lá fora o sol bate na parede antiga
Enfraquecido do seu calor
Está misturado com o silêncio
Na tarde sem vento e sem movimento
Parece propício para uma cantiga
Sem dolo para este dia em torpor
Num consolo de ser esquecimento
E se estar só no pensamento.
Melhor é viver com os próprios arcanos
Isso se constitui num regozijo
Faz muito bem para o juízo
Ser ausente de seres humanos.
O mundo parece estar parado
Como sendo uma pausa só dele
Ainda a esperar amedrontado
Mais destruição que farão contra com ele.
Na sensibilidade pela tarde tão calma
É o espírito que se acalma
Quando nesse estado amalgama
Os nobres sentimentos da alma.
Na tarde sem ver ruas ou estradas
Só o sol pelas paredes e pelo chão
Reina uma agradável solidão
Livre de qualquer forte emoção
Como estando a mente parada
Distante das encruzilhadas
Das ilusões humanas preparadas
Que sempre acabam em nada
Neste mundo sempre em revolução
Em que nele o homem se acaba
E no egoísmo do que constrói
Ele não recupera o que destrói.
Lá fora na tarde o sol já se esconde
O dia morre para o nascer da noite
A claridade se troca pelo escuro
Os pensamentos foram divagações
Tudo foi apenas entretenimento
Foram outros momentos improdutivos
De quem adulto se pensa preocupado
Ao invés de se saber numa hipnose
Consequente pela perda da pureza
Da ingenuidade e indiferença da infância.

Comportamentos indesejáveis entre seres humanos


 De a todas as pessoas seus ouvidos, mas a poucas a sua voz.
William Shakespeare
Esse conselho é para a minoria de pessoas que levam a vida a sério. A maioria só vive a falar e a falar e nada mais. A maioria é daquelas pessoas atraídas pelas redundâncias e pelas trivialidades. A minoria não deve falar sobre temas que a maioria não assimila. Então para a maioria só se deve dar os ouvidos e pouca voz.

É difícil viver com as pessoas porque calar é muito difícil.
Friedrich Nietzsche
Que verdade, não? Muitas pessoas estão sempre a tagarelar sem se importar com o que dizem e sem se preocupar se para outras pessoas o que dizem merece atenção.

As pessoas comuns pensam apenas como passar o tempo. Uma pessoa inteligente tenta usar o tempo.
Arthur Schopenhauer
A diferença entre as pessoas comuns e as pessoas inteligentes está em como o tempo para as primeiras passa sem elas nada contribuir para a sociedade e para as segundas o tempo mais é utilizado para evoluir suas mentes. Mas, resumindo, pessoas comuns e pessoas inteligentes estão no mesmo trajeto. Ambas, o tempo com o tempo a passar as destrói.

O tempo é o único capital das pessoas que têm como fortuna apenas a sua inteligência. 
Honoré de Balzac
Pessoas inteligentes utilizam-se do tempo para seus aprimoramentos mentais enquanto outras desperdiçam os seus para o seu suceder material. São opostos que não se associam intimamente. As primeiras e as segundas nada de comum têm entre si.  

Minha solidão não tem nada a ver com a presença ou ausência de pessoas... Detesto quem me rouba a solidão, sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia.
Friedrich Nietzsche
Solidão não é apenas sofrimento. Ela é desejada por aqueles que buscam isolamento para ficarem apenas com seus pensamentos. Hoje em dia está cada vez mais difícil buscar a solidão, pois, constantemente sofremos interferências. Pior quando temos que ficar a mercê de outros com suas insignificâncias.

Não esqueças que os estranhos são amigos que ainda não conheces.
Abraham Lincoln
Tem gente de poucas amizades não querendo outras e nem imaginam que estranhos possam ser melhores do que suas amizades atuais.

A pior solidão que existe é darmo-nos conta de que as pessoas são idiotas.
Gonzalo Torrente Ballester
É, tem gente que se fecha em seu mundo particular pensando-se superior aos demais vivendo com desprezo pelos outros. Quando existe a superioridade ela tem que estar aliada com a humildade e assim evita a solidão provocada pelo egoísmo.

Se liberdade significa alguma coisa, será, sobretudo, o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir.
George Orwell
São raros aqueles que dizem o que pensam de desagrado contra as pessoas que merecem ouvir. No mais, a maioria das pessoas é hipócrita, pois, elas até sorriem diante de outras que as perturbam com conversas inúteis. Liberdade para dizer o que se pensa... Nem pensar.

Bebo para tornar as outras pessoas interessantes.
George Jean Nathan
A bebida às vezes torna isso possível. Podemos estar num lugar onde nada nos agrada, principalmente as pessoas, mas, basta um trago de álcool para o ambiente ficar agradável e agradáveis também as pessoas antes intoleráveis.

Ideal seria que todas as pessoas soubessem amar, o tanto que sabem fingir.
Bob Marley
Sempre percebemos em muitas pessoas seus amores manifestados por outras, mas, basta um desacordo entre para seus amores morrerem. Isso é constante na sociedade. Melhor seria as pessoas conterem suas palavras carinhosas para com as outras para não ter que desmentirem-se depois quando o amor por elas se desfaz.

A raiva é um veneno que bebemos esperando que os outros morram.
William Shakespeare
Podemos sentir raiva de alguém sem ele saber. Sendo assim o veneno fica apenas em nós mesmos.

Um homem é tão grande quanto às coisas que o deixam com raiva.
Winston Churchill
Se o homem soubesse o quanto ele é pequeno, não se deixaria dominar pela raiva por coisas tão pequenas. Alguns por raiva amaldiçoam quase tudo o que lhes desagrada.

Eu não teria que controlar minha raiva se as pessoas aprendessem a controlar sua estupidez.
Anônimo
Queiramos ou não, a estupidez humana está avançando sem limites. Isso dificulta o amor ao próximo. Este está sendo preciso substituí-lo pela tolerância, o que já é uma tortura. Viver só tendo que tolerar não é viver, é tentar sobreviver diante da estupidez de muitos evitando se tornar estúpido também.

Que mundo! Poderia ser maravilhoso se não fossem as pessoas.
Woody Allen
Muita gente, hoje, vive decepcionada com a humanidade e não é pra menos. Embrutecida, ela com seus delírios e com suas loucuras a todos perturba. A paz entre os homens está se transformando em um artigo de luxo. O desentendimento humano está sendo quase global. O massacre tecnológico tem conturbado a mente de milhões de pessoas. A simplicidade já não encontra guarida no viver comum.

                                                                                                    Altino Olimpio



.




.


  



quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Passeata invisível


Então, dia quinze de novembro de dois mil e quatorze, feriado, houve uma passeata favorável ao rumo político do nosso governo e a Mídia nada divulgou nada televisionou? Procurei em todos os canais de televisão e, nada. Apelei até ao programa do Datena da TV Bandeirantes, pois, ele como é muito macho (até parece) não deixaria os seus telespectadores desinformados sobre a passeata. Mas, qual o que, nem ele a transmitiu em seu programa. O helicóptero utilizado para gravar imagens do alto, talvez estivesse deslocado para outros lugares por onde não houve passeata e por isso nada gravou dela. Se bem que, gravar enchentes é mais importante. Lá de Brasília, também, ninguém ficou sabendo da passeata, pois, como escrito acima, a Mídia nada divulgou, ela que não tem o “rabo preso” e freneticamente é favorável à liberdade de expressão. O povo nas ruas só esteve manifestando sua gratidão pelos acertos da política governamental, inclusive, ausente de corrupção. Quanto à Mídia é preciso considerar que, televisionar a passeata prejudicaria muito sua programação diária, como, noticiários sobre o futebol e principalmente as novelas que é o melhor meio de instrução da elite brasileira. Por essas e outras, a passeata foi mesmo só um passeio feliz.

                                                                                                          Altino Olimpio  



                                                                                                     


Obras do Metrô supervisionada do além


Nicolas Maduro da Venezuela parece que ainda está verde. O homem ainda não amadureceu para as realidades da vida. Ele acredita em fantasmas. Então né (risos) conforme relatado na brasileira Revista Veja, ele falou sobre e até exibiu uma foto de um fantasma visto nas escavações do metrô. “Caracas”, e ele disse que o fantasma é do Hugo Chaves, seu antecessor. O “mais duro” é que ele acredita mesmo na aparição do outro mundo. O “crer para ver” sempre funciona nas mentes impressionáveis, principalmente nos já maduros em converter abstrações em realidades. Alguns governantes gostam de agradar o povo quando falam sobre as mesmas tendências dele, como, religião, Deus e etc. mesmo em nada acreditando sobre o que falam ou ouvem. O Fidel Castro é professor nisso. Aqui no Brasil várias vezes já ouvi candidatos a algum cargo público dizerem: se Deus quiser serei eleito, se for da vontade de Deus... E assim caminha a humanidade, com Deus por todos os lados e até, como querem, envolvido com política, reduto este de tantas sacanagens. Voltando a aparição nas escavações do metrô de Caracas, pelo mundo todo, cientistas nunca conseguiram comprovar a realidade de tais “fenômenos” existentes além da fronteira divisora “existente” entre os vivos e os mortos ou entre a realidade e a irrealidade. É preciso ser muito “maduro” para desprezar a descrença dos cientistas. Entretanto, se foi mesmo verídica a aparição do espírito do Hugo Chaves, conforme dito acima, então, não pode ser “chaveco”.

                                                                                                        Altino Olimpio   





"Dez armamentos" só para bandidos


 --Você viu o que fizeram contra nós?
--Não! O que fizeram de errado que nos prejudique?
--Você é devagar, não? Não sabe que agora é proibido possuir arma de fogo?
--Isso pra mim é novidade. Não acredito nesse absurdo.
--Como não? É uma lei que foi aprovada.
--Xi cara, você acredita em tudo o que ouve. Isso é mentira. Duvido que algum político tenha votado a favor dessa lei. Jamais os políticos nos deixariam desprotegidos dos bandidos que infestam este nosso país. Seria ignorância e mesmo maldade de algum legislativo ser a favor dessa insensatez.
--Você não assiste noticiário da televisão? É proibido sim termos armas de fogo mesmo que só a tenhamos dentro de casa.
--Vá, vá, vá! Além de bobo você acredita mesmo que não se pode ter arma em casa? Mas, se na tua entra um bandido, como você vai se defender? Soube de um senhor de oitenta anos que afugentou dois bandidos de sua casa dando uns tirinhos com um revolver calibre trinta e dois e ele foi muito elogiado pelas nossas autoridades, até uma festa alguns integrantes dos Direitos Humanos fizeram em homenagem a ele.
--Isso é que é mentira. O velho foi detido e até lavraram um boletim de ocorrência contra ele, porque, ele possuía um revolver calibre trinta e dois em casa. Se houve algum erro teria sido, porque foram deter o velho à noite e isso agora é contra a lei.
--Caramba! Você não é deste mundo. Quer dizer que agora ninguém pode ser preso durante a noite? Olha, vou falar com alguém da sua família, pois, você precisa ser internado urgentemente para se curar desses teus desvarios.
--Você é mesmo mal informado. Então não sabe que nossos senadores recusaram uma proposta para diminuir a maioridade penal?
--Isso eu sei e eles estavam corretíssimos quando recusaram tal proposta ou projeto. Você é que está mal informado. Como tanto ouço falar, você acredita mesmo que algum menor de dezoito anos de idade cometa crueldade contra alguém? Claro que não! Os ainda menores de idade estão na época de se envolverem com namoradinhas. Jamais iriam roubar alguém ou mesmo assassinar. A Mídia é mentirosa. Sei que acontece, às vezes, de algum menor acidentalmente matar alguém. Mas, não há o que temer, porque, temos os Direitos Humanos sempre de prontidão para proteger qualquer vítima que possa existir.
--Não dá mais pra conversar com você. Você é que está precisando se internar num manicômio. Você está sofrendo de distorção de valores. Isso é grave.
--Você é que é tonto se preocupando com trivialidades. Escuta, o próximo Big Brother da Globo está chegando. Não vou deixar de assistir por nada deste mundo e você deveria assistir também, pelo menos, para se instruir melhor.
--Credo, isso foi demais. Estou indo e até nunca mais.
--Nossa! Que cara grosso. E eu pensei que ele ainda fosse meu amigo.

                                                                                                              Altino Olimpio



Brasil campeão de miscigenação

                                                                                                                                                                    Assisti a um vídeo muito interessante ou preocupante e “bota preocupante” nisso. No vídeo aparece o Deputado Onyx Lorenzoni (RS). Abaixo está transcrito tudo o que ele relatou no vídeo:

Os Democratas vão ingressar com um requerimento na Comissão de Segurança Pública na próxima semana (o que já deve ter ocorrido) para convocar o Ministro de Relações Exteriores do Brasil, o Ministro Luiz Alberto Figueiredo pra que ele explique o documento emitido pelo ministério que data de sete de maio deste ano aonde ele retira a consulta prévia para concessão de vistos, ou seja, o visto é concedido imediatamente no momento de sua solicitação para os nacionais do Afeganistão, Irã, Iraque, Jordânia, Líbano, Líbia, Palestina, Paquistão e Síria.
Os democratas exigirão a presença do ministro aqui no parlamento brasileiro para explicar quais são os reais motivos, qual é o motivo pra que (se abra) as fronteiras brasileiras para países que tem na sua área nacional a influência, o preparo e a formação de terroristas de organismos que tem essa periculosidade que eu acabei de citar. Portanto, nós vamos querer trazer à Comissão de Segurança da Câmara o Ministro das Relações Exteriores para explicar porque o Brasil vai facilitar a obtenção e simplificar a obtenção de vistos para pessoas que vem de áreas de forte influência de organizações terroristas. Isso no mínimo é um risco desnecessário e beira a irresponsabilidade do Ministro das Relações Exteriores.

Existe um deputado muito inteligente que se formou na Faculdade Big Brother Brasil e ele é favorável ao ensino islâmico nas escolas. Muito interessante, mas, nem o nosso idioma, muitos não conseguem aprender. Barbaridade! Bem disse aquele general da França “esse país não é muito sério”. Ele se referiu às falcatruas monetárias, mas, sobre os nossos representantes, se ele tivesse sabido como alguns são tão coniventes com resoluções contrárias ao povo deste país, ele teria dito “esses brasileiros são um caso muito sério”. Por aqui temos o Movimento Sem Terra, temos os Sem Teto, Temos milhares de médicos cubanos, muitos refugiados árabes já estão por aqui, todos que poderão ser movimentos contra os “desmovimentados”... O povo daqui está desarmado e também sucumbindo aos ataques do futebol, da cerveja, da televisão, do telefone celular e do Facebook. Como somos tão ocupados nós fugimos de qualquer briguinha. Nossa esperança são os nossos jovens, pois, dominam bem o idioma inglês. Pronunciam bem Word, speedy, downloads, player, reader, Google, webmail, wifi, blogger e etc. Com referência ao islamismo será fácil para os jovens já ingleisados aprenderem.

Quanto ao deputado acima que expôs o receio da vinda de terroristas para cá, não fiquei sabendo se o ministro em questão veio ou foi até ao parlamento brasileiro se explicar da sua ministrada de abertura para qualquer um vir para o Brasil. Ô meu Maomé do céu o Senhor poderia parar o mundo para eu desembarcar. Existe algum lugar no universo onde só tenha bichos. Se existir é pra lá que eu quero ir. Enjoei dos animais daqui.

                                                                                                       Altino Olimpio

                                                                                       




  







Bronca da amiga

Altino, cá entre nós, você acredita no que escreve? (Sylvia)

Se acredito no que escrevo? Não, sempre minto pra mim mesmo. Entretanto, se o que escrevo serve para reflexão de alguns, então, algo de bom ou ruim estou fazendo. Mas, amiga, de uma lida no David Hume e começará a ver as coisas com outros olhos. "O empirismo lógico consiste na afirmação de que as palavras só têm significado na medida em que se referem a fatos concretos. Daí decorre a eliminação de todos os conceitos da metafísica, pois estes pretendem referir-se a realidades exteriores ao sujeito pensante, sem qualquer traço de experiência sensível". David Hume nasceu na Escócia em 1711. Fica zangada, não (risos)

Pergunto, pois, você podia escrever essas baboseiras só para provocar as pessoas, talvez. (e eu sei como você sabe provocar)
 Leia também Werne Heinsenberg, Amit Goswani, Osny Ramos e outros físicos quânticos, ESTUDE MECÂNICA QUÂNTICA, (ouça palestras do professo Helio Couto e de outros), que já comprovou em laboratório por inúmeras vezes como funciona a mente de Deus, como funciona a nossa, o poder de co criadores que temos e como funcionam as leis do universo às quais estamos sujeitos, sem privilégios nem castigos. Como somos criadores da nossa realidade, portanto, não cabe a Deus ou o todo ou o vácuo quântico, como dizem os cientistas resolver por nós.
Não fico zangada, eu estou é cansada dessa conversa infantilizada, se Deus existe, porque nascemos, pra onde vamos quando morremos etc, etc... Quando a física, a ciência, eu não falo religião, já provaram a existência dos multiuniversos, o que chamo de dimensões, já provaram a existência do espírito ocupando todos os níveis de dimensões, já relatam há dois séculos a experiência da dupla fenda, que prova que nós é que comandados os elétrons, é o nosso desejo, a nossa vontade que faz movimentar o mundo quântico, o quanto temos que nos libertar dos paradigmas, do ego.
Não tenho mais paciência pra filosofias baratas, já saí dessa há milênios...
Tem dois tipos de gente que não gosto, as fanáticas e as céticas, ambas acabam ironizando tudo, não levando nada a sério, a primeira por ignorância, a segunda por comodismo ou teimosia. Saia da zona de conforto e vá vislumbrar outros conhecimentos porque os que você acessa está há anos luz de atraso.
Leve a mal não, mas, uma das coisas que não tenho mais paciência é de dourar a pílula, ando falando demais...
Não estou me colocando nem acima nem abaixo de você, intelectualmente, longe de eu tecer qualquer tipo de julgamento, apenas, vejo que transitamos em frequências muito diferentes. É uma pena... (Sylvia)

Pra começar tenho alguns livros sobre esses temas que aludiu. Tenho o livro "O Universo Autoconsciente" do Amit Goswami e outros. Pena que não me lembro agora de todos os nomes dos cientistas envolvido nessas questões, são vários que muito admiro. Mas, mas, escrever sobre esses assuntos não me encontro capacitado e minha terminologia de leigo deixaria muito a desejar. Também, ah lembrei-me agora do brasileiro Marcelo Gleiser, já o li também. Também, como ia "dizendo", se atualmente muitas pessoas nem conseguem entender um texto simples, como iriam interpretar temas sobre a mecânica quântica? Eu, como você, estou com o saco cheio de ouvir tanta baboseira que não se encaixam na realidade e por isso, às vezes, algumas crônicas são mesmo para provocação, como foi essa última. Inclusive li-a no programa de rádio para os ouvintes, para eles, se quisessem me contradizer, mas, tal não aconteceu. É pena ser raro os que comentam sobre os textos que lêem. Se a maioria fosse como você, bem que eu gostaria, porque, dos comentários sempre pode surgir algo para minhas reflexões. Quanto aos acessos que você diz estarem anos luz de atraso, pra você podem estar, mas, não para a maioria dos leitores que nem leitores são e por isso desconhecem muitos daqueles que escreveram seus conceitos lá no passado. 

“sem experiência sensível“  tudo o que falo já foi comprovado.
 Não saio dando tiro no escuro. (Sylvia)

Intão né? Num dia tão distante acordei com um nome na mente: David Hume. Quem seria ele? Alguma vez já ouvira esse nome ou o tenha lido em algum livro? Não me lembrava. Então o chamei no Google e lá estava ele. Alguns dias se passaram e estando eu na cidade dando bandola pra cá e pra lá, fui me distrair num sebo. E não é que lá vi um livro dele e claro que o comprei. Assim que recebi tua resposta à minha crônica eu o estava relendo, pois, anos se passaram de quando o li pela primeira vez. Ao responder ao teu primeiro comentário-pergunta, aproveitei para te enviar um parágrafo do livro e pelo que senti, fui infeliz com essa idéia. Foi um tiro no escuro e acertou em você (risos).

Ah, então escreveu para provocar mesmo... Eu não me engano.
Você não é tão cético assim, Altino, é contestador.
Pena não conversarmos mais sobre o assunto, procure entender o que é o “colapso da função de onda”, do Sherodinger (nunca sei escrever o nome corretamente), quando conseguir dominar a técnica, que não depende de inteligência e sim de “sentimento”,  sua vida dará uma volta de 360 graus e sua consciência se expandirá. (Sylvia)

                                                                                                                 Altino Olimpio







domingo, 28 de setembro de 2014

Reflexões indesejadas


Não sei se Deus criou o Homem ou o homem criou a Deus. (Dostoievski)
Os religiosos acreditam que Deus criou os homens e os ateus dizem que os homens criaram Deus. O que se sabe é que o homem surgiu neste planeta, mas, nada se sabe para que ou para qual propósito. Se para os ateus o homem surgiu de um acidente da natureza, então não houve propósito para o seu surgimento. Como todos os animais ele deverá nascer, viver e morrer e é só isso. Se o homem foi uma criação de Deus conforme acreditam os religiosos, qual teria sido o propósito do homem na terra? Ninguém sabe ao certo. Além do apenas viver e morrer, o homem teria alguma outra função para justificar sua vida? O planeta terra não precisa dele. O universo não precisa dele. Apenas os homens precisam uns dos outros para o bem conviver, subsistirem. Só essa justificativa é comprovável. Se existir outra, fica apenas na suposição e na imaginação. Sobre a pergunta “por que estamos aqui?” existe resposta convincente? Respostas improváveis e mesmo incoerentes existem várias.
Outra justificativa para o porquê nós estamos aqui se encontra na Bíblia. Deus nos criou porque lhe agradou fazê-lo. Fomos criados para o Seu prazer. Da primeira à última página da Bíblia a mensagem é clara. Fomos criados para o Seu prazer. O apóstolo Paulo escreveu em Colossenses 1:16: “Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, seja soberanias, quer principados, quer potestades.  Tudo foi criado por meio dele e para Ele”. Interessante! Se formos criados para o prazer de Deus, o que teríamos de interessante para agradá-lo? E Ele, sendo perfeito precisaria de agrado? Não seriam apenas os seres humanos os desejosos de agrados?

A conhecida história de que Deus primeiro criou um casal para ele se multiplicar convence muitos e muitos não se convencem. Teria Ele criado seus filhos e depois tê-los deixado às suas próprias sortes? Tivemos duas guerras mundiais e com a consequência de muitas mortes. Na segunda grande guerra tendo início no ano 1939 e terminando no ano 1945, como são sabidos, naquele desespero seis milhões de judeus foram exterminados e milhões de outros de outras raças também. Nos campos de concentração, os prisioneiros já em estado esqueléticos pela fome não imploraram a Deus pela suas salvações? Os pais não rezaram para Deus proteger seus filhos das atrocidades cometidas pelos alemães daquela época tão desumana e assassina? Se eles imploraram, se rezaram e se suplicaram de nada adiantou, porque, pais e filhos foram impiedosamente massacrados conforme a história registrou.  Aqueles prisioneiros imbuídos de fé ou não, só tinham Deus como esperança de salvação, mas, tal não aconteceu. Então, não há como não deduzir que Deus, se existe, Ele não está para se envolver com problemas humanos, sejam eles sobre guerras ou catástrofes que vitimam homens, mulheres e crianças, todos tidos como filhos Dele. Mesmo depois dessas constatações verídicas, muitos ainda estão a pedir proteção divina, esquecendo-se de quando mais o mundo precisou da proteção Dele para salvar aqueles infelizes do holocausto e Ele pareceu não estar onisciente e onipresente como muitos acreditam. Se Ele não se manifestou como proteção naqueles tempos de tanta crueldade, seria de se manifestar em tempos de paz quando nas amizades as pessoas desejam entre si o “que Deus te acompanhe, que Deus te proteja, que Deus te abençoe?” Seriam essas palavras apenas palavras utilizadas para o conforto ou gentileza entre as pessoas? Isso impressiona favoravelmente quem aprecia e acredita no poder que as palavras possam ter.

                                                                                                         Altino Olimpio





 


domingo, 14 de setembro de 2014

Esses filósofos... (continuação)


“Sabe o que é meia idade? É a altura da vida em que o trabalho já não dá prazer e o prazer começa a dar trabalho”.  (Frases da internet)
Mas, é na chamada terceira idade quando o trabalho pode perder seu interesse. O homem, se trabalha, trabalha apenas por trabalhar e não mais pelo mesmo prazer de sua maturidade de quando existia a ambição do querer possuir. Quanto ao ir à busca de prazeres em que a vida ainda pode proporcionar, o homem pode evitar gozar tais prazeres, porque, pouco lhe interessa chegar até eles, pois, quase tudo lhe é um dejavi. São repetições dos prazeres que no seu pensar de agora já perdeu todo o prazer.

Você é livre no momento em que não busca fora de si mesmo alguém para resolver os seus problemas. (Immanuel Kant)
Se cada um resolvesse seus problemas sem necessitar de outros a vida seria uma maravilha. Tem gente folgada a sempre estar pedindo para outro fazer o que elas mesmas deveriam fazer. Entre marido, esposa e filhos isso é comum.

O sábio pode mudar de opinião. O idiota NUNCA. (Immanuel Kant)
O sábio reflete e quando outro conceito é mais válido daquele dele, ele não titubeia em substituir o antigo pelo novo. Já o idiota, assim como é chamado pelo Kant, ele nada reflete sobre um mais válido conceito novo preferindo manter o velho, embora, também aceito sem refletir.

A sabedoria das mulheres não é raciocinar, é sentir. (Immanuel Kant)
É por isso que dizem que as mulheres precisam ser amadas e não compreendidas. Elas são mais sentimentos do que os homens. Em épocas remotas as mulheres eram consideradas úteis apenas para reproduzir. Estavam em segundo plano. Nesta época não! Elas estão em primeiro plano para a cobiça dos homens. Até dizem que sempre existe uma mulher por trás de um homem importante.

O homem é o único animal que precisa trabalhar. (Immanuel Kant)
Ouve épocas em que os homens fizeram com que bois e cavalos trabalhassem para eles de graça e ainda se pode ver isso em alguns países. No mundo, a maioria dos homens trabalha para a minoria, cujo trabalho dela é fazer com que a maioria trabalhe para ela.

Podemos julgar o coração de um homem pela forma como ele trata os animais.  (Immanuel Kant)
Sempre existiram e ainda existem aqueles que matam animais sem necessidade. O dizer de muitos que todas as criaturas são filhas de Deus não os impede de matá-las. Entre o animal homem e outros animais já não se sabe quem são mais animais.

O homem mais é conforme sejam os pensamentos que dominam seus pensamentos (A.O.) Ao exteriorizar os pensamentos que mais são constantes em sua consciência, o homem revela as suas importâncias, às vezes, sem se preocupar se elas sejam insignificâncias para outros. Sempre é preciso saber com antecedência se o que se quer falar é adequado para quem está a ouvir. Esse precaver pode impedir que outros possam reconhecer nossas limitações.

Se não existissem as ilusões seria preciso inventá-las para os seres humanos não morrerem de tédio. (A.O.)

Nesta época tão violenta do salve-se quem puder muita gente ainda acredita em poderes celestes a interferir para conter tanta violência, embora, ela só tenha aumentado. Ou é a proteção celeste que não existe, ou, é a violência que é mais poderosa do que ela, porque, essa sim, existe. (A.O.)

A política serve de propósito para vários políticos administrarem para si próprios com os poderes que o povo lhes outorga nas urnas e não adianta reclamar no que quase sempre é repetição. (A.O.)

Mistério, conforme significa essa palavra, ele é indecifrável. Depois do surgimento dos homens na face da terra, até estes dias, bilhões dessas criaturas morreram e nunca reapareceram. Como ninguém se conforma com a morte, inventaram mistérios confortantes como, céu, paraíso, reencarnação, ressurreição, alma, espírito... Que bom! Como não existe morte, quando morrermos, continuaremos a viver lá no mundo dos mistérios, mundo este, descoberto pelos vivos. (A.O.)

                                                                                                  Altino Olimpio










terça-feira, 2 de setembro de 2014

Esses filósofos...


 A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, é porque nasceu escravo. (Fernando Pessoa) 
Quem precisa de outros para o feliz viver ainda não aprendeu a viver. Aquela conversa antiga que se ouvia que, todo homem tem que ter uma companheira, uma religião e um time de futebol para torcer, isso tudo é besteira. Tem quem não tem companheira, não tem religião e nem tem um time de futebol de sua preferência. Talvez até viva melhor do que aqueles vivendo dessas “necessidades”.

Quem tem bastante no seu interior, pouco precisa de fora. (Goethe)
Quem evoluiu mentalmente tem muito dentro de si sem necessitar de contatos com outros para viver bem. Os outros com suas mesmices só estariam a aborrecê-lo.

Falar é uma necessidade, escutar é uma arte. (Goethe)
Triste é querer falar sobre algo para alguém que não tem a arte de escutar. O alguém sempre interrompe com suas tão importantes coisas a dizer interrompendo quem vos fala. Sendo assim, não se fala o que se quer e ouve-se o que não quer.

Todo o nosso saber se reduz a isto: renunciar à nossa existência para podermos existir. (Goethe)
Parece complicado, mas não é. Renunciar à existência é não ir pra cá ou pra lá em busca de sensações baratas para se auto-agraciar. Isso é apenas o se igualar com quem pensa que o desfrutar da vida é só pelos momentos agradáveis. Tais momentos são passageiros e no mais, são ausentes de experiências que possam servir para reflexões no futuro.

Não se possui o que não se compreende. (Goethe)
Verdade. As pessoas mais comuns nada possuem que se possa transpassar para outras. Pessoas comuns só compreendem o que é comum. Como são assim, elas não compreendem o que possam ouvir ou ler sobre o que esteja além de sua capacidade de assimilação.

Legisladores ou revolucionários que prometem simultaneamente a igualdade e a liberdade são sonhadores ou charlatães. (Goethe)
As três palavras “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” surgiram durante a Revolução Francesa em 1789. Tais palavras ainda hoje são repetidas numa instituição filantrópica, mas, como disse Goethe, “são sonhadores ou charlatões” aqueles que acreditam na verdade contida nessas palavras. Liberdade não existe, Igualdade não existe e nem existe Fraternidade, atualmente. Apenas os menos esclarecidos acreditam nas verdades contidas em tais palavras.

As pessoas felizes não acreditam em milagres. (Goethe)
Como se nota, as pessoas que vivem sem ou com poucos problemas, elas vivem mais tranquilas. Outras não! Acreditam em milagres a acontecerem em suas vidas para resolver seus problemas. É comum procurarem por soluções provenientes dos planos além da física.

Eu não temo morrer e ir pro Inferno ou (o que seria consideravelmente pior) ir para a versão popularizada do Paraíso. Eu espero que a morte seja um nada e, por me remover todos os medos possíveis da morte, eu sou muito agradecido ao ateísmo. (Isaac Asimov)
Por que será que vários homens considerados inteligentes se revelaram como ateus? Será que é porque nunca se impressionaram com as crenças no além tão difundidas entre a humanidade? Por que a maioria dos seres humanos dispensou o ateísmo deles? Seria por considerá-los inteligentes, mas, ignorantes sobre fé ou crença?

Toda a infelicidade dos homens provém da esperança. (Albert Camus)
Esperanças são ausências. É o esperar por fatos que poderão ocorrer ou não. Muitos vivem suas vidas como ela lhes é sem qualquer expectativa do futuro. São os mais tranqüilos vivendo sem ansiedades. Outros não. Sempre pensam que seus futuros serão melhores e isso ninguém garante.


O mais triste nos infelizes é que vivem contentes. (Sofocleto)
Nessa frase entendem-se como infelizes aqueles de poucos recursos para viver. Isso é notável e admirável, sim. Os com menos recursos ou pobres, quase sempre estão a sorrir quando estão com outros, contentes se esquecem até de seus dissabores. 

A infelicidade só se consola com a infelicidade dos outros. (Henri Montherlant)
Acontece de muitas pessoas viverem se queixando de suas vidas infelizes, mas, quando ficam sabendo de outras que sofrem por problemas maiores, elas se sentem consoladas. Também, como dizem, os semelhantes se atraem, por isso, as pessoas infelizes melhor se sentem com outras infelizes. Para alguns infelizes os felizes parecem ser antipáticos. Por sua vez, os felizes podem tentar evitar os infelizes por considerá-los como pessoas negativas.

A vida é boa e não estou infeliz. Estou bem satisfeito em seguir minha vida acreditando em nada. Sem medo de que possa haver algo mais por ai. (Dexter Morgan)
Esse convive com o que está a existir sem se preocupar com o que só ainda na imaginação possa existir. Uma pessoa assim vive sem conflitos e despreocupada se sofrerá punições ou não por não acreditar em nada além do que sua consciência possa abarcar.

Quem muito quer pode atrair junto com o muito que quer muito do que não quer. No nosso querer muitas vezes ele vem acompanhado de consequências futuras indesejadas. O querer alguém, por exemplo, ele pode trazer complicações inesperadas com as quais se terá que conviver mesmo sem querer. Pelo que seja material também pode acontecer. Pode-se adquirir algo com tanta alegria e no futuro se tornar motivo de aborrecimento.

A verdade é que me acomodei de tal modo em minha infelicidade, que quase sou feliz. (J. G. Araujo Jorge)
Acontece sim, tem gente que se adapta tanto com sua infelicidade e até se torna feliz com ela. Se a infelicidade desaparecer para quem está habituado com ela, isso pode causar saudade dela. O não ter o que reclamar da vida, para muitos é insuportável.

A felicidade serve apenas para tornar a infelicidade suportável. (Marcel Proust)
Aqui o escritor dá a entender que a infelicidade é uma regra geral. Então, os momentos de felicidade que para alguém possam existir, servem apenas como uma trégua para a infelicidade. Entretanto, ninguém é infeliz ou feliz constantemente.

Se quiser viver uma vida feliz amarre-se a uma meta, não as pessoas e nem as coisas. (Albert Einstein)
Aqui está uma regra indubitável. Pessoas e coisas vêm e vão. Uma meta quando atingida pode ser de muita utilidade para quem a tem e às vezes, até para a humanidade. Mas, a maioria das pessoas nenhuma meta tem, a não ser para o proveito próprio.

Se argumentos racionais funcionassem com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas. (Dr. House)
Aqui o homem está se referindo às pessoas que não aceitam argumentos contrários ao que elas acreditam. Tais argumentos só estariam a irritá-las devido a eles, os argumentos, estarem a desacreditar no que elas acreditam. Se as pessoas mais convivessem com as realidades, argumentos contrários a elas poderiam ser irreais.

                                                                                                                 Altino Olimpio







quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Ainda é tempo de templo


O mês de agosto de dois mil e quatorze acordou com uma das maiores dádivas para o Brasil. A inauguração de um templo majestoso plagiado de um templo famoso existente “Antes de Cristo” e em Jerusalém.  Fora construído pelo então Rei Salomão, rei de Israel de 1037 a 988 antes de Cristo. Foi filho do Rei David da raça preferida por Deus. Segundo consta nas Escrituras Sagradas, Salomão foi o autor do livro “Eclesiastes” onde se lê “vaidades das vaidades, tudo é vaidade”. O Templo de Jerusalém foi edificado três vezes. O primeiro pelo Rei Salomão e o terceiro, por Herodes, o rei da Judéia que assim fora nomeado pelo senado romano. Para ganhar a simpatia dos judeus ele remodelou o templo tornando-o assim uma das sete maravilhas do mundo antigo. Faz parte da história a famosa profecia de Jesus: Quando Jesus estava saindo do páteo do templo um discípulo disse: Mestre veja que pedras e edifícios impressionantes! Jesus respondeu: Você está vendo estes enormes edifícios? Pois aqui não ficará uma pedra em cima de outra; tudo será destruído! Mc 13.     

Segundo relatos, a maçonaria tem em seus membros iniciados, a simbologia de que cada maçom representa um tijolo ou bloco de pedra do Templo de Salomão a ser reconstruído mentalmente. Nota-se nela também, a influência da antiguidade e de raça nestes tempos modernos. As religiões também buscam seus exemplos de conduta e de crenças no passado. De lá do passado, as sequentes épocas mais modernas, embora, cada vez mais tecnológicas e científicas, não foram impedimentos para uma grande parte do povo sempre retroagir aos tempos donde as histórias dos fatos narrados foram mais comoventes e convincentes para se ouvi-las e segui-las como exemplo e tradição.

Quanto ao Templo do Salomão brasileiro, cristão, o idealizador dele deve ter tido a intenção de agradar a Jesus, pois, “com uma pedra em cima da outra” o templo foi reconstruído. Autoridades governamentais compareceram para a inauguração, mas, não viram o muro das lamentações, eles que provocam tantas.  E tais autoridades assistiram o homem trajando roupas de outra raça, inclusive o quipá, o gorro judaico que simboliza o temor a Deus e visto em rabinos.  Gostei dessa representação! Até me fez começar a acreditar em reencarnação. Como já disseram: Aquele que prepara armadilha para outros, no fim, ele também é pego pela própria armadilha. Entretanto, na sequência de benfeitorias sagradas, que tal importar o Rio Jordão para o Brasil? Não seria uma idéia brilhante, principalmente para o Estado de São Paulo que sofre com a falta d’água? Aguardemos irmãos. Nada é impossível para os homens mais proeminentes deste nosso país.

                                                                                                         Altino Olimpio


segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Projeção astral

Aconteceu neste domingo, dezessete de agosto de dois mil e quatorze por volta das vinte e três horas. Como sempre sem ter o que fazer a melhor opção foi me deitar na cama, esquecer-se do mundo enlouquecido e evitar qualquer pessoa, que, porventura viesse aparecer na minha mente para atrapalhar meus instantes a sós. Com o tempo a passar adormeci sem querer e num dado momento “acordei” ouvindo o estalar de milhos de pipoca. Fiquei imaginando que todos os milhos estouraram, até “vi” na imaginação a tampa da panela se abrir parcialmente exalando cheiro de pipocas e eu sentindo-as já salgadinhas.  A seguir, o inesperado aconteceu. Que surpresa agradável! Vi-me suspenso ao ar cerca de meio metro distante do corpo estirado na cama. Imediatamente me conscientizei estar tendo uma projeção astral. Embora me sentindo feliz, não conseguia sair daquele lugar fora do corpo. Esforcei-me para continuar a projeção conforme aprendera em estudos do passado, mas, nada de conseguir. Foi quando me lembrei haver tomado uma espécie de chá. Uma mistura de várias plantas, mas, não me lembrava quais plantas eram. Ainda distante do corpo eu pensava que devia tomar mais do chá para poder sair daquela posição estagnada e viajar pelo mundo astral. Até via na mente a caneca preta contendo o chá. Entretanto, também pensei. Para tomar mais chá terei que voltar ao corpo. E se depois de tomar o chá eu não conseguir mais sair dele? Indeciso, fiquei por uns momentos analisando aquela situação. Eu fora do corpo no ar e ele deitado na cama dormindo. Vozes femininas e masculinas de repente surgiram para interromperem minha indecisão sobre o que fazer. De quem seriam tais vozes? Seriam do plano astral ou seriam daqui mesmo, deste mundo barulhento? Ainda demorou um pouco para me certificar que as vozes eram daqui. Eram de uma de minhas filhas e de um dos meus netos. Não me lembro como foi minha reentrada ao corpo, pois, me levantei com vontade de comer pipocas. Perguntei por elas pra minha filha e ela me disse: Não tem. Hoje aqui ninguém fez pipocas. Ah, pensei, então, “tão reais” as pipocas eram do plano astral. Você leitor, se chegou até aqui na leitura deste texto acreditando na minha saída do corpo, então, você acredita em qualquer coisa. Também acredita em promessas de políticos. Acreditou que o piloto daquele avião que há poucos dias caiu na Cidade de Santos foi um herói por ter escolhido lá do alto uma casa abandonada e um pequeno terreno “certinho” para poder cair evitando assim tragédia maior? Se o piloto teve opção de escolha, por que não caiu ao mar onde possivelmente os passageiros poderiam ter a chance de se salvarem? Quanto à minha projeção astral desta crônica, ela existiu sim conforme ela foi relatada, mas, no sonho. Foi um sonho! Quanto a sonhar, sei da existência de muita gente que sonha acordada e nisso está à credulidade por fatos indignos da realidade.

                                                                                               Altino Olimpio

    

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

O Deus te abençoe


Sempre que “olho” para o mundo só vejo tragédias, desgraças, incompreensões, disputas, guerras e tudo mais, inaceitáveis para o viver humano desta época tecnológica e promissora. Nosso mundo, a terra, como sempre esteve, está tendo suas transformações. Nada do que ocorre segundo parece, tem a participação de um regente supremo. Sabemos de catástrofes da natureza a destruírem milhares de moradias e causando muitas mortes. Acidentes aéreos também vitimam muita gente. Tudo está ao contrário de quando eu era criança e me ensinaram que Deus era o protetor do mundo e da humanidade. Ele sendo “Onisciente e Onipresente”, a todos poderia proteger. Assim cresci pensando até me tornar adulto. Agora o dilema me persegue. Ele protege ou não protege? Tenho receio de admitir que não, porque, posso me tornar “mal visto” pelos outros que não duvidam de tal proteção. Confesso que estou meio confuso. Aqueles que se utilizam de automóveis blindados acreditam em proteção divina? Quantos antes de morrerem em acidentes ouviram de alguém “Deus te proteja ou Deus te acompanhe”? Muito já ouvi sobre o “não pronunciar seu santo nome em vão”. Mas, atualmente é o que mais se ouve. O “Deus te abençoe” diariamente é repetido. Será que algum ser humano tem mesmo esse poder de pedir para Ele abençoar alguém e Ele está sempre à disposição para obedecer a tal pedido? Não sei! As pessoas pretensiosas acreditam que Ele sempre está à disposição delas para atender aos seus pedidos. Se elas estão certas fico muito feliz, porque, ultimamente, várias pessoas pediram pra Ele me abençoar, só não sei se Ele as obedeceu. Talvez ainda não, porque, sempre repetem esse mesmo pedido a meu favor como se Ele fosse esquecido ou não tivesse ouvido para ouvir por estar muito ocupado. Eu, como nunca fui “pidonho” vou ser hoje, mas, de uma maneira contundente e moderna. O meu pedido vai por mensagem eletrônica, isto é, por computador que substituiu as inoperantes mensagens telepáticas. “Que Deus abençoe a todos”. Pronto. Depois desse enorme bem que fiz já posso morrer em paz.

                                                                                                  Altino Olimpio




Certezas nas incertezas

As pessoas procuram locais descontraídos à beira mar, nas matas ou nas montanhas no dizer que esses retiros são para higiene mental. Entretanto, qualquer um pode se retirar pra dentro de si mesmo em qualquer ocasião que queira para olhar para dentro de si e é só onde mais poderá desfrutar da paz e tranqüilidade. Os momentos de solidão são os mais propícios para se ser quem é sem o ser que se é de quando misturado com outros.    

“Falando” sobre o final da existência, o homem declina, adoece, torna-se decrepito, envelhece. Seu poder de realização de desvanece e torna-se uma sombra de si mesmo. Com o tempo, mesmo seu nome se perderá para a lembrança humana. O brilho de suas realizações apagar-se-á. Esperar mais que isso da existência terrena é absurdo, embora, muitos esperam.

Quando a relação entre fatos não é clara ou evidente, a imaginação fértil do homem cria ou inventa alguma relação. Por exemplo, não há relação clara com a morte e a continuidade da existência depois dela. Sendo assim, o homem criou na imaginação uma relação, aquela dele continuar existindo invisível aguardando um julgamento final sobre suas boas ou más ações enquanto esteve vivo tendo o seu corpo material. Outra relação criada pela imaginação humana é aquela em que depois de morto seu corpo, o homem em espírito fica aguardando a ocasião de retornar encarnado. A capacidade imaginativa humana é bem producente para criar respostas quando elas ainda não existem, principalmente, com suas certezas.

O ser humano, pelo desleixo de refletir por si mesmo, acomodado mental, ele prefere recepcionar em sua mente, idéias e teorias sobre a existência e também depois dela, tudo sendo proveniente de outros. Nessa acumulação de conceitos aceitos, ele os protege como lhes sendo próprios. Qualquer ser humano, sempre se pode vê-lo agrupado com outros na mesma situação de ouvir outros com argumentações sobre idéias e teorias que também não são originais deles. Nós parecemos ser cópias das cópias e estas sendo as relevâncias de sempre.

Dentre os seres humanos existem os divulgadores das verdades, aqueles que, afetados por conceitos irrefletidos, na soberba de suas inclinações beneficentes, eles se sentem na missão de alastrar suas tidas verdades para outros também ausentes de reflexão e incapacitados de divergências. Muitos locais onde muitos se reúnem para receberem ensinamentos com exemplos de outros da antiguidade sobre o correto modo de viver e proceder diante das verdades do além, tais locais mais são parecidos com escolas primárias para adultos. E estes, se comportam como crianças obedientes dispostas a tudo ouvir sem discordar, mesmo que possa haver dúvidas ou controvérsias.


                                                                                                       Altino Olimpio 

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Morte antes da morte

Conversei com uma amiga e ela relatou-me como foram os últimos dias do marido dela com ela. Ele não mais a conhecia e nem seus filhos. Na conversa entre os dois, esposa e marido, ele dizia pra ela: É bom você ir embora, porque, se a minha esposa chegar e te ver aqui, ela vai brigar com você e comigo também. E você, quando eu te queria, você não me queria e agora então eu também não quero você. Mais de uma vez quando o casal estava na sala de visitas, o marido via quando de surpresa chegava algum parente já falecido e o marido conversava “normalmente” com o “recém chegado”. Certa vez os pais dele, também já falecidos vieram visitá-lo e ele disse pra esposa: Olha, você tem que ver a horta que meu pai está fazendo. E ele conversava com a esposa e com os pais como se todos fossem vivos. De outra vez ele chorou parecendo saber que já havia morrido o cunhado que também veio visitá-lo. O homem deste relato pouco tempo depois veio a falecer. Era conhecido na região de Caieiras como também sua esposa ainda é. Esse tipo de anormalidade mental não é mais incomum nestes dias. Como no caso citado, quando alguém vê e conversa com pessoas já falecidas, o alguém não está mentindo. Isso pode ser uma projeção mental. O cérebro quando já defeituoso e estando a prejudicar a consciência, ela deixa de discernir o que seja real ou irreal. Com a consciência precária, o cérebro pode projetar pra fora do corpo, cenas ou imagens como se elas fossem reais. Tais projeções também acontecem com alguns alcoólatras, pois, eles vêem monstros diante deles. Tais fatos são conhecidos pela psiquiatria. O desconhecer das funções do cérebro, principalmente quando ele está anormal e faz com que irrealidades são vistas pelos olhos, isso é tratado como delírio. Entretanto, quando alguém, digamos, em delírio vê quem já morreu, muitos pensam e comentam que tais aparições sejam reais provenientes do mundo dos espíritos, que, aparecem como sendo um aviso a anunciar a proximidade da morte do alguém que “vê” tais aparições e está doente. Se as visões de familiares já falecidos são provocadas por uma projeção cerebral ou se são espíritos desencarnados, ainda não há comprovação científica para quaisquer dessas duas “possibilidades”. O título deste texto “Morte antes da morte” está a significar a perda da consciência ainda em vida e continuar a viver sem consciência é como já se estar morto para as realidades das atualidades dos subsequentes cotidianos.

                                                                                                           Altino Olimpio

                                                                                             


domingo, 6 de julho de 2014

A vida e a morte sempre se encontram


O tempo e a mudança ininterrupta de todas as coisas faz com que o adaptar-se seja contínuo.  O que nos existiu não mais existe e é igual ao que não existiu. Entretanto, qualquer fato do presente, por insignificante que seja é superior a qualquer fato importante pertencente ao passado. Isso porque, qualquer fato do presente nos está sendo realidade, pelo menos momentânea, mas, qualquer fato, mesmo importante do passado, no presente é ausente e é igual a nada. De cada fato em nossa vida, apenas por um momento ele é. Depois, ele já foi. Muitos dizem ser melhor aproveitar os momentos do presente sendo o melhor propósito da vida e sendo real. Contudo, tais momentos nos próximos instantes deixam de existir e restam apenas como representação no pensamento. Nossa existência mais é focada no fugaz presente e neste mundo onde tudo é inconstante, os presentes sempre são diferentes e no mais das vezes, indiferentes para o que queremos ou esperamos. Sendo assim, sempre vivemos na ignorância do que possa surgir ou acontecer nos próximos instantes dos presentes subsequentes. Nossas vidas são de presentes passageiros e neles sempre estamos à espera de coisas melhores e não é incomum ainda desejarmos o que pertenceu ao passado. Nós consideramos o presente como sendo apenas temporário para atingir algum propósito. Se “olhássemos” para trás no fim de nossas vidas perceberíamos que despercebidos de nós mesmos estivemos distraídos em desejos futuros. Nos nossos cotidianos do passado, mais estivemos distraídos de nos mesmos esquecendo-nos de sentir o fluir da vida. Se pensarmos em como foram nossas vidas, elas reaparecem no pensamento como tendo sido todos os fatos lembrados em que estivemos envolvidos na nossa existência, até então. Isso é um descuido, porque, os fatos não foram nossas vidas. Elas, nossas vidas, apenas se relacionaram com os fatos existidos e lembrados. E como é diferente o começo de nossas vidas do final delas. O início é sujeito às ilusões, às esperanças, aos entretenimentos, aos romances e etc. O fim é acompanhado pela decadência da saúde, pelo desânimo, pela perda das ilusões e pelas recordações de outrora se a memória ainda não está enfraquecida. Nossa existência é temporária no teatro da vida onde somos atores e assistentes das atuações dos outros atores e o mundo é o nosso palco. Antes do encerrar das cortinas de um ser humano qualquer, ele já se encontra mais ou menos indiferente com as atualidades vigentes e até parecendo estar cansado da vida. Quando a morte lhe chega ela não o encontra tão desesperado em temê-la como quando se é jovem. Tudo o que ele fez na vida, tudo o que ele representou, toda glória ou fama, tudo o que lhe foi importante, não servem para nada em seus momentos derradeiros. Por isso, no dizer dos pensadores, a vida é uma ilusão. Sobre isso, controvérsias existem para aqueles que buscam refúgio na crença de existir recompensas na pós-vida ou num retorno a ela com as experiências já vividas e mantidas. Como ainda são “caminhos” duvidosos e mesmo ainda improváveis, ainda reluto em caminhar por eles.

                                                                                                       Altino Olimpio   







quinta-feira, 26 de junho de 2014

Velórios e sepultamentos antigos


 Nestes tempos atuais todos estão habituados aos velórios municipais com mais conforto do que antigamente. Quase sempre, num mesmo local, coincidem vários falecidos a serem velados. Sendo assim, familiares, parentes e amigos de um falecido encontram-se com familiares, parentes e amigos de outro ou de outros falecidos. No passado era diferente. Lembrando como eram, recorro-me ao extinto Bairro da Fábrica de Caieiras onde nasci. Morrer alguém não era tão comum como é hoje. Quando isso acontecia, todos do bairro ficavam sabendo.  Como lá todos se conheciam a comoção era geral. A solidariedade com a família entristecida pela perda de um ente querido era mais evidente. O velório era na casa da pessoa falecida e muitos para lá acorriam compartilhando com as tristezas dos presentes na ocasião. Os funcionários da indústria local, depois de cumprirem seus turnos, muitos deles sentiam o dever de também comparecer demonstrando assim seus pesares para os familiares da pessoa falecida. Esta, comumente ficava na sala de visitas da casa, dentro do caixão entre quatro velas acesas. Pelo acúmulo de pessoas, muitas ficavam fora da casa quando a conversa entre elas mais era sobre a pessoa falecida e assim passavam a noite quando o sepultamento seria no dia seguinte. Naqueles tempos não era tão comum como é hoje contarem piadas nos velórios. No dia seguinte, ao se aproximar à hora do féretro, o desespero invadia os familiares da pessoa falecida e se ouvia gritos, choros acompanhados de muitas lágrimas, principalmente no momento de colocar a tampa no caixão. Como não havia veiculo especial para o transporte de quem morreu o “enterro”, assim como era chamado o trajeto até ao sepultamento, ele era percorrido a pé a caminho do cemitério. Com o caixão de quem morreu indo na frente do cortejo, sustentado e levado por três homens de cada lado dele, seguindo-os vinham os acompanhantes bem numerosos às vezes. Aqueles que não acompanhavam o enterro ficavam nas janelas de suas casas ou nas proximidades para vê-lo passar. Lá no Bairro da Fábrica, o trajeto a pé do enterro era até a maquininha, trenzinho de passageiros, quando o caixão era colocado sobre um dos bancos de um vagão e os acompanhantes se instalavam noutros do mesmo e nos bancos de outros vagões da maquininha, rumo a Caieiras. Lá chegando, a continuidade do féretro voltava a ser a pé até o cemitério que ficava na Vila Cresciuma. O cemitério é o mesmo destes dias atuais, mas, não mais se fala em Vila Cresciuma, pois, ela foi englobada como sendo da Cidade de Caieiras. Antigamente parecia que a morte de alguém causava muita lástima em quem o conhecia. Agora, como tudo mudou, a população local aumentou e semanalmente temos notícias de que conhecidos morrem, parece que a morte perdeu seu fascínio em causar pesar por ter se transformado em rotina. Não como há pouco tempo atrás, quando muitos compareciam ao velório municipal para a despedida de algum conhecido ou mesmo amigo, hoje, não mais são muitos a comparecer, porque, nestes tempos muitos não têm tempo e seus compromissos sempre importantes existem por todos os seus tempos, não sobrando tempo para o tempo da despedida de alguém cujo tempo chegou ao fim.    


                                                                                                         Altino Olimpio

domingo, 18 de maio de 2014

Não julgueis para não seres julgado


 Essa frase título é mais uma das sem efeitos. Mais lógica a frase seria assim: Sempre que julgar o faça em silêncio e sem revelar. Pronto, a coerência está estabelecida. Há todos os instantes alguém está julgando alguém sem se importar se será julgado também. Quando uma pessoa é bem educada e outra comete algo que contraria a sua educação, sua moral e sua ética, em seu íntimo ela já julgou e até condenou como sendo indesejável a outra antes que o intelecto pudesse reagir lembrando-a do erro que é o julgar. Nesse caso o intelecto funciona como disfarce dos nossos sentimentos. Ele impede o exteriorizar por palavras a repulsa que o julgar interior antecedeu a ele. O ser humano é muito aconchegado com a hipocrisia. É comum ele rir mesmo quando sua reação interna seja contrária, isto é, para ofender ou mesmo brigar com outra pessoa que o desagrade. O “não julgueis para não seres julgado” só é coerência se está a se referir sobre o revelar por palavras o julgar. É incompetente para impedir o julgamento que é instantâneo proveniente do âmago de cada um. Quem consegue se anteceder ao sentimento para impedi-lo de julgar? Ninguém consegue. Então, muitas frases estão a nos orientar apenas intelectualmente, ou melhor, por fora, sem conseguir nos orientar por dentro ou interiormente. Talvez por hipnose se consiga introduzir no sentimento a ordem “não julgar”. Mas, isso é apenas uma idéia para psicólogos, padres e pastores e nem sei se isso funciona. Terminando, o que nos surge espontaneamente no sentimento seria a nossa verdade se não fosse abafada pela distorção dela pelo intelecto. Ele, hipocritamente sempre está a nos proteger de exteriorizar o que pensamos para bem podermos viver em sociedade. O intelecto ao se expor através de nossas palavras, no mais das vezes, ele é contrário a reação do sentimento ao julgar alguém, felizmente, porque, se assim não fosse só teríamos inimizades.  

                                                                                                       Altino Olimpio