terça-feira, 23 de agosto de 2011

A morte

É a melhor maravilha a existir entre os seres humanos. Trata-se aqui daqueles encardidos com o ilícito para o proveito próprio. São de uma legião sempre a se expandir como frutos, eles morrem e em dobro nascem mais substitutos. A terra é boa e estercada porque brota muita gente à toa. Tem até gente honesta a admirar gente que não presta. Mas a morte ou não tem sorte ou é descuidada, pois, leva daqui mais os que são bons deixando os que não valem nada. A justiça divina parece que não mexe com quem rouba e depois se transforma em gente fina. A morte é a única porta de acesso ao paraíso, mas, como isso provoca riso. O morrer é o único remédio contra o enlouquecer. Não adianta gemer nem espernear, bandidos e corruptos sempre estão a se semear. Sabemos disso através dos noticiários onde os cafajestes são artistas diários. Pessoas ainda decentes são desprezadas por serem improducentes. Os canalhas riem da morte e dos pobres por considerá-los criaturas sem sorte. A vida e a morte são amigas para serem nossas inimigas. A primeira muitos enche de ilusões para serem bons ladrões. A segunda que devia tudo interromper não mais mete medo em quem ainda quer se corromper. Dizem que “tudo o que aqui se faz aqui se paga”. Então, vou cantar uma música de carnaval: “Que mentira que lorota boa, que mentira que lorota boa...” Bom “falando” sério, a vida de cada um é pra ser julgada pela morte. Ela tem tudo registrado e decide para onde vão as almas dos defuntos falecidos assim: “Este, acreditava que notícias de jornais e de televisão sempre foram verdades. Este era simples, mas, se vangloriava em ser amigo e puxa-saco de pessoas sabidamente desonestas. Esta colocou silicone nas tetas, fez lipoaspiração extraindo banhas e operação para extrair rugas. Isso é contra como a natureza as fez no envelhecer. Este colocou uma prótese no pinto e sendo velho sem vergonha ainda gosta de fazer porcaria. Esses vão só por pouco tempo para o purgatório, pois, são pecados pequenos diante daqueles a afetar o povo. Entretanto como primeiro castigo todos terão que ouvir os ‘sabem tudo’ a dizer que eles foram boas pessoas e logo irão se encontrar com parentes e amigos lá no céu. Eu que sou a morte estou morrendo de saudade de encaminhar alguém para o céu”. Nossa, até a morte está descontente com os rumos da humanidade e ela se pensava ser caridade ao tirar a vida daqueles a serem vítimas das maldades ao invés de mandar os corruptos entre nós internos para o inferno. E, na vida de agora ainda há quem suporte ver os canalhas a ter tanta sorte. Sei não, será que a vida é a morte e a morte é a vida? Pode ser sim, porque depois de passar pelo ritual do velório e do caixão todos se tornam tão bonzinhos e nunca mais serão maltratados. Ao contrário, a vida deve ser a morte porque, sofremos tanto por aqui e deve ser para expiarmos os nossos pecados. O pior é que não podemos espiar de longe e tentar fugir. A vida sempre nos pega e ordena: Você tem que estudar, você tem que trabalhar, você tem que se casar, você tem que votar, você tem que comprar, você tem que torcer por um time de futebol, você tem que tomar cerveja, você tem que viajar para as praias nos feriados, você tem que pagar pedágios, você tem que pagar multas, impostos, juros, você tem que amar o próximo mesmo que ele seja chato, você tem que ter plano de saúde, você tem que ser da melhor idade e... Chega, chega Socorrooooooooooo. Quero morrer pra poder viver.

Altino Olimpio