quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Viagem ao passado

Hei! Vem comigo, não tenha medo. Deixe teu corpo dormindo ai. Vou te levar para uma aventura. Segure-se na minha mão, pois, precisamos ambos estar num mesmo lugar, no mesmo dia e na mesma hora. Estamos chegando, você está ouvindo música? Pronto, chegamos. Olhe, estamos no passado e olhe só aonde viemos parar. Nossa, que cheiro de pipoca. Voltamos uns 50 anos ao passado. Aqui é Caieiras e estamos numa festa de igreja. A música que estivemos ouvindo antes de chegar vinha daquele coreto. É da Banda que anima a festa. Quanta gente não? Conheço a maioria dos que estão aqui. Vamos nos misturar entre eles, pois, ninguém pode nos ver. Observe, as famílias comparecem com seus filhos. São uma das razões de termos muitas moças e rapazes nesse vai-e-vem de pessoas, até parece que todos estão num flerte para encontrar a contraparte (risos). Está percebendo a simplicidade desse povo. Essa simplicidade e união entre eles vão perder, mas nem desconfiam disso. Essa descontração vai desaparecer. Televisão, automóvel, telefone celular, corrupção no país, violência e a internet, tudo isso e mais estarão a separá-los no cada um na sua e em suas casas. Chegue-se aqui na barraca da quermesse. Veja aquele rapaz ali. Muito educado, sorridente e brincalhão ele é uma simpatia. Daqui não há muito tempo ele vai morrer afogado. Bem, dessas pessoas que são de uma geração anterior a minha a maioria não mais estará entre nós na época em que vivemos no inicio do século 21. Estou aqui vendo esses rostos que nunca mais vi. É uma mistura de alegria, de tristeza e de saudade. Olha o padre também está ai. Padre muito querido e famoso. Muito comentado dizem que é o amor de várias mulheres daqui que são casadas. Veja essa jovem aqui perto da barraca de ofertar música. Ela vai se casar e tristemente logo ela vai ficar viúva. A outra ao lado dela não vai ficar viúva, mas, vai sofrer com o marido porque ele vai ser um alcoólatra. Aquele casal se distraindo na barraca de pesca vai perder um filho a ser atropelado pelo trem. Aquele rapaz ali parado pensativo, ele vai dar um tiro numa moça e depois com a mesma arma vai se matar. Por aqui tivemos muitas tristezas também. Alguns destinados a tê-las nunca mais foram os mesmos. Neste instante estamos vendo-os sem suas feridas e quando eles nem imaginam o que os espera. Não vou mais te contar o que vai acontecer com outros que aqui estão. Não podemos nos emocionar porque senão nossos corpos nos puxam de volta para eles. Estando aqui você não percebe as tão boas vibrações dessa gente ainda tão simples e honesta? Percebe como são saudáveis? Ainda não existem os tais de fast food, alimentos industrializados. Lá na nossa época como você sabe muitas pessoas são vítimas de doenças e até parece que, a preocupação dos “combatentes” delas é o manter delas e não as suas curas. Vamos voltar pra barraca de música. Essa jovem está escolhendo uma música para alguém. Mas ela vai pedir à música que nós queremos que ela peça. Que? Ah isso é fácil conseguir. Fique vendo, vou entrar no corpo dela e fazer com que ela escolha a música siboney. Pronto, agora é só esperar o locutor ai anunciar. Escute! “O serviço de som anuncia: A moça que está de saia branca plissada e de blusa vermelha oferece a música Siboney para o rapaz que está de jaqueta cinza e calça preta”. Viu, viu como foi fácil. Escutemos a música também. Sabe por que te trouxe aqui nesta época do passado quando de verdade mais as pessoas eram simples? Essa gente aqui da festa da igreja é mais autêntica no viver sem ainda a ambição de adquirir conhecimento. Não estão contaminadas pelas tantas mentiras lá do nosso tempo. Charlatões abundam por lá. São tantas instituições filosóficas, psicológicas, filantrópicas, sociedades secretas, religiões e etc. Disseminam o impossível, o impraticável, tudo a troco de tirar dinheiro dos ingênuos. Alguns espertalhões enriquecem muito. Muitos perdem seus tempos com coisas impossíveis de existir. Diferente dos animais o ser humano não sabe a medida de suas necessidades. Sempre está a procura de desnecessidades e com elas se envolve para se confundir e atrapalhar suas necessidades reais. Estão na senda da iluminação (risos). Grande Fraternidade Branca, mestres invisíveis, ler pensamento, telepatia, levitar e etc. Nada disso existe. Para cada tipo de gente tem um tipo de rede para pescá-lo. Alguns até que descobrem que estiveram envolvidos com ilusão. Sendo assim escapam dela para depois cair em outra. O ser humano adora ter bengalas para se apoiar. Mas, estamos aqui nesta festa do passado. Puxa-vida a barraca de som está ótima com as músicas desta época. Lá na nossa nem mais ouvimos músicas agradáveis como estamos ouvindo aqui. O que? Ah, você está pensando ai “mas que contradição, desacreditou tudo e ao mesmo tempo discorreu sobre uma viajem ao passado através de uma projeção astral. Que incoerência!” Incoerência? Nada disso. A explicação é bem simples. Isto tudo foi apenas um programa de rádio. Estive brincando com a tua imaginação. Iniciei te ordenando “vem comigo” e você como bom ouvinte que é e como sei que tu tens muitas lembranças me foi fácil conduzi-lo por elas. Você ouviu a banda, “viu” a festa de igreja e tudo conforme já viu no passado. Você reviu na mente, pessoas que não mais existem. Viu pessoas antes de suas fatalidades. Nós somos o que nós fomos. Tudo ficou registrado, basta apenas um estímulo como este de hoje para certas lembranças retornarem. Bem, agora que tudo está explicado não precisarei fazê-lo retornar ao seu corpo. Sorte sua porque por sacanagem eu poderia te retornar no corpo de outro e você não iria gostar (risos). Té mais ver e tenha um bom fim de semana. “O tempo passa e nós somos a Rádio de Caieiras, 87.5 FM. Este programa se chama Caieiras de Sempre, que, é levado ao ar às sextas-feiras a partir das vinte e duas horas. Também transmitimos pela internet cujo site é WWW.radioondafm.net Música e na sequência voltamos.

Altino Olimpio