quarta-feira, 17 de março de 2010

Deslumbramento fatal

Pessoas deslumbradas com “corriqueirices” são comum nesta época da já propalada “Nova Ordem Mundial”, um tido tipo de domínio articulado que está a endoidecer o povo causando-lhe desequilíbrio mental, mais naqueles de ignorância congênita. O homem contemporâneo, no mais das vezes ingênuo ainda, com facilidade se encanta com trivialidades decorrentes e sempre é receptivo a outras banalidades que são novidades. Nisso tornou-se joguete de intenções que nem sequer desconfia. Vive numa espécie de hipnose e iguala-se a animais irracionais para ser obediente ao padrão de existência imposto pelo sistema que lhe quer cada vez mais vulgar, sendo assim mais fácil levá-lo a consumir e a reagir conforme sua vulgaridade o inspira. Tal sistema está a idiotizar o povo impedindo-o de pensar, massacrado que é pela comunicação ininterrupta e irrestrita. O sistema utiliza-se também de cretinos muito bem pagos para torná-los ídolos famosos. Estes felizes iludidos, prostitutos do sistema estão por ai para serem admirados pelo povinho que é ou se faz de incapaz para perceber neles a ignorância alastrante. Temos nas revistas e na televisão, bonitas como nunca, muitas cabeças ocas providas de fascínio sensual a serem imitadas nas suas leviandades por muitas outras de mentes afins. “Amar ao esporte sobre todas as coisas” é o lema da atualidade. Quando se vê e se ouve um traiçoeiro falar pela televisão “Deus pediu para eu falar pra vocês comprarem esta revista porque nela encontrarão...”, logo se percebe que os mais coitadinhos estão desprotegidos pela lei que protege muitos traiçoeiros, a lei da liberdade de expressão, utilizada também nas divulgações das já vistas aberrações comportamentais. Estas poucas citações já são suficientes para demonstrar que uma população pode estar à mercê de difusões perniciosas a embotar suas consciências. Se delas não se livram é por viverem deslumbrados por elas. Quem facilmente se torna deslumbrado facilmente é manipulado. Alguém já escreveu: Quem tem nas mãos os meios de comunicação manda no mundo. Malditos sejam os canalhas responsáveis pela deturpação mental do povo e principalmente de nossos descendentes. Só resta este ineficaz desabafo, outro não há neste mundo, onde, deturpados e deturpadores mais parecem viver irmanados. Como exclama uma minoria tida como mais consciente, a tal de “Nova Ordem Mundial” se está mesmo em vigor com seus objetivos alienantes, não estão eles para os “quaisquer uns da vida” perceber. Esses mais são dados a adorar o inimigo, visto que, assim estão condicionados. Esta frase de Spinoza “Uma vez afastada a ignorância cessa o deslumbramento” estaria a ser uma luz para a escuridão mental desta época. A frase não carece de explicação para os inteligentes. Para os outros, talvez numa próxima “reencarnação” venham eles a entendê-la.

Altino Olimpio

quinta-feira, 4 de março de 2010

Tempo perdido

De um modo geral as pessoas vivem dispersas do nascer ao morrer. Vivem conforme um padrão de existência já estabelecido pela sociedade. Entretidas com os compromissos pela sobrevivência, elas por anos e anos se aprisionam a eles como não tendo alternativas. Parece não ter mesmo, pois, viver implica em suprir suas necessidades e nisso está o se sujeitar como outros se sujeitam a um trabalho para seus sustentos. Todos se rendem ao paradigma proposto pela sociedade no como cada um deve encontrar os meios de se prover, pelo menos, o básico para poder se manter independente de auxílio alheio que é humilhante. Nessa dependência obrigatória a maioria despende muito anos de suas vidas. Não poucos vivem assim até o fim. Envolvidos nessas responsabilidades diárias e acomodados nelas num esquecer-se de si mesmos, todos parecem não querer lembrar que vão morrer. Se lembrassem iriam refletir se a situação em que se encontram é aquela que melhor convém. Entretanto, sair, fugir, escapar dessa situação de aprisionados é quase impossível. Se alguém “acorda” desse pesadelo de não poder ser o que e como quer ser e pensa “chega vou abandonar tudo e ir embora” já é tarde. Para si mesmo criou armadilhas das quais não consegue se desvencilhar. Sim, levado a atender o padrão de vida proposto e imposto pela sociedade, isso é sobrecarregado de deveres e responsabilidades inevitáveis e escravizantes. Tendo formado família então, os deveres para com ela, problemas e preocupações pertinentes causam ainda mais o enfraquecer da individualidade. Esta fica sem sua prioridade para atender a de outros. Tudo a corroborar com a perda da decisão para se safar de uma existência se ela é percebida como alienada. Para os conformados sendo eles a maioria, a vida se resume nisso e nem pensam se ela pode ser de outra forma. Temos um período de vida e nele os conformados só se entretêm deixando-o mais ser como ele está a acontecer. Nos já perto do fim de seus períodos de vida sente-se neles só o acúmulo mental do que a sociedade lhes quis em seus existir, o banal e o óbvio. Nisso viveram por tempos perdidos. Do nascer ao morrer cada um tem um tempo de vida a decorrer e nesse tempo sem perceber está a vir a ser conforme o sistema que veio a se estabelecer e disso pode ser prisioneiro até morrer. Que bonita é a democracia do livre viver alienado.

Altino Olimpio